sábado, novembro 25, 2006

POESIA - DANTES

Momentos calmos
no inarmonico,
sentindo a vida
como um feliz; ilúcido, nesse caso, "feliz", em coma.

Todos os dias se perdem
no afã de sensações,
o olhar mostra ébriação.

Tudo Dantes
feito presença,
queda em viva consequência.

Rompendo com o tino
de todo existir lídimo,
o que perde-se por meios dos meios
que não são dignos, vivencia em toda classe de ritimos.

terça-feira, novembro 21, 2006

O planeta Hercolubus - O relato do V.M. Rabolu


Tema um tanto atual e deveras sem par é o de nossa instabilidade geológica, que assola de forma cada vez mais forte o Planeta. Há prognósticos e estatísticas, avaliações científicas sobre o problema. A questão que permanece aos pobres mortais é que não se dá importância essencial ao que ocorre catastroficamente, a visão vã que abre e folheia os jornais, e, despercebidamente com os dias as imagens desoladoras que vão sequencialmente surgindo, também nas emissoras televisivas; seguindo nessa modalidade de apreensão e avaliação de notícias onde esquece-se de tudo que foi visto de assombrosa forma natural sem importância ao vital. Indícios de uma época de superficialidades? A cada um cabe a resposta.
Apontando seguramente o quadro que há quanto ao ocorrente no planeta, um índio colombiano chamado Joaquim Henrique Amortegui Valbuena, o V.M. Rabolu, indivíduo de toda forma singular, que atuou em cerca ou em mais de quarenta países do mundo entregando a sua sabedoria acerca de auto-conhecimento e o conseqüente conhecimento acerca do infindo universo, Gnose, Gnosticismo. V.M. Rabolu, indo precisamente ao cerne desse texto, escreveu uma obra lançada em meados de dois mil, período em que veio a falecer, intitulada "Hercolubus ou Planeta Vermelho" que trata-se de um livro contundente e diretamente esclarecedor com precisão quanto ao seu conteúdo de previsões e análises do que sucede a terra.
O livro relata acerca da existência de um planeta gigantesco, cerca de cinco, seis vezes maior que Júpiter, fato conhecido pelos cientistas, que aproxima-se periculosamente do nosso planeta, com conseqüências que serão descritas mais adiante, além do resultado dos testes atômicos no oceanos que como o autor descreve é um corpo vivo que inala e exala e ao isso realizar contamina a biosfera, além de provocarem gretamentos, aberturas no fundo onde se encontra o oceano, concluindo-se isso em catástrofes como maremotos, terremotos e o aquecimento das águas devido ao contato com o fogo do interior terrestre. Aborda quanto a vida interplanetária enfocando dois planetas (Vênus e Marte) fornecendo detalhes quanto ao modo de vida desses seres e a atuação cabal que terão em auxiliar os humanos terrestres, aqueles que sejam selecionados a serem resgatados do cataclisma que lentamente se irá desencadeando. O cataclisma, esse, trata-se das conseqüências dos já mencionados testes atômicos e também quanto a influência que ocorrerá no eixo da terra devido a todo o quadro invertendo-o, submergindo a superfície onde vive-se na água. O caos que assolará a vida no planeta.
Com a aproximação de Hercolubus a alteração da vida se fará mais constante, o dinheiro sumirá, as grandes potências (países) ficarão em ruínas, os já citados tremores, terremotos, indícios do caos, surgirão. Doenças sem resolução pela ciência oficial se farão presentes quando o Planeta Vermelho se por ao lado do sol. Epidemias...
Anteriormente nesta resenha mencionou-se quanto da seleção de humanos a serem resgatados pelos seres viventes em outros planetas (em naves interplanetárias) em relação a essa questão ou modo de atuação ao cabível resgate, os dois últimos capítulos do livro explicam o modo acessível ao conhecimento do proceder nesses quesito. Tratam-se seqüencialmente das partes chamadas "A morte" e o Desdobramento Astral".
"A Morte" ensina a didática de como proceder a eliminar o Ego, eu psicológico que converte o ser humano em algo perverso com as características comuns a esse, os defeitos capitais como citados no livro a luxuria, a vingança, a ira, o orgulho, etc., ao realizar ou por em prática esse processo aquele que dessa maneira agir irá aumentando sua essência, alma, e separando-se do círculo involutivo da humanidade assim tão comum.
Em "O Desdobramento Astral" é ensinado como realizar ou por em prática a faculdade de nome homônimo, igual ao do capítulo, que se trata do fenômeno do quando ao dormir o corpo físico, o que permanece na cama em repouso, um corpo sutil, chamado astral, desprender-se e ir a quinta dimensão, onde se realizam os sonhos, que tal como é explicado ao efetuar-se o citado fenômeno de forma inconsciente a experiência que recorda-se então é a de um sonho. O livro esplana a didática de como fazer o desdobramento de forma consciente e mover-se fora do corpo físico a vontade elucidando as possibilidades de conhecer pessoalmente anjos, hierarquias, a virgem, ensinando a viajar dessa forma por meio do Pai interno, "Espírito Divino" como o próprio autor escreveu.
O V.M. Rabolu textuou: "A desintegração dos defeitos e o desdobramento astral são as únicas fórmulas que há para o resgate". Algo de interessante a ser salientado é que esse acessível livro no Brasil já atingiu 90.000 cópias impressas na oitava edição e encontra-se na nona e é best-seller em alguns outros, como também foi traduzido em cerca de dez idiomas e distribuído em mais de vinte países.
Na contra-capa do livro há estas afirmações: "O que afirmo neste livro é uma profecia a muito curto prazo, porque me consta o final do planeta, conheço-o. Não estou assustando, senão prevenindo, porque tenho angústia por esta pobre humanidade já que os fatos não se fazem esperar e não há tempo a perder em coisas ilusórias".

Nota: O livro continua sendo impresso e já atinge cerca de quarenta países ou mais.
Imagens: divulgação.

Samael Aun Weor (Vídeo) - La Tercera Guerra Mundial

Fala sobre a terceira guerra mundial, profecias relativas, sendo a tewrceira considerada a pior; a que vem. O desaparecimento das principais cidades do mundo com as explosões nucleares.

terça-feira, novembro 14, 2006

IMAGEM

POESIA - CONCEITO DE VIDA

Morrendo pelo imoral
Que é a moral
Vidas condicionam-se
À ser algo,
No algo um conceito, um estado, condicionação.

Trilhas perdidas,
Na ilusão isso segue,
Existindo sem existir, perâmbulando

POESIA - MENTIRA

Na integra
Não existe integra,
Dissipando tudo,
Tudo é nada,
Nada é tudo.

Surgem verdades,
Morrem.
A verdade morreria
para nascer outra sendo idade?

O tempo refere a verdade,
Verdades?
Uma única e várias nascem das idéias,
juntando emaranhados.
Viver na mentira é uma regra dos séculos.

quinta-feira, novembro 09, 2006

POESIA - DESVELAR

Recente,
crescer sem o ressente.
Vida, ânimo, calma.
Estudo ininteligivel ao só tangivel,
a voz dos céus,
Deus,
Ele, retira os Véus.

POESIA - DISPOSTO

No espaço
entre todos os passos
longas evoluções,
resta saber à que são, se real ou ilusões.

Posto à não ser disposto,
ser vida,
sem quedas, vida,
mesmo quando queda
não sendo caído; vida Real, sem mentiras.
Liturgia do autêntico,
vida sem conceitos de vida.

segunda-feira, novembro 06, 2006