sábado, março 22, 2008

Poesia - Ilusivo

sem momentos
anti-fermento do anti-firmar
do estar, existir do denso
deletérico alinear.

mundo de posses
onde conjectura-se supor estar isento de prisões
os quereres entretanto
apesar do sentir suave que parece
são estados do que está presente
parece não ser
uma prisão sendo

ébrio o sorriso pensa estar lúcido
supões estar além estando nos domínios
do ilusivo da lua

segunda-feira, março 17, 2008

Poesia - Inominável

No perene estar
Em não estar,
Ser.
O que serve e não tem reinos
Sendo ciente e parte do reino.
Aquele que deixa de ser este ou aquele.

Sendo Ele.
Sem limiares.
O inominável.

sábado, março 01, 2008

Poesia - Além mundo

Subindo, descendo,
Indo mundo além mundo,
Indo além da navegação,
Não afundando, andando, queimando, flutuando,
O mundo não existe mais
Uma vez que a concepção
Do mesmo se desfez na visionação do que o faz.

O que o fez. Realidade. Real.
Aquilo que É. Onde agora está.
E ele como era não existe mais.

Poesia - Apetites

A serpente rasteja sobre seu próprio ventre.
Apetites, apetites...
O que é vão e comum
Ao todo, senão que, o oposto a uma razão
Que dá senso ao sem noção
Guiaria à ascensiva escada
Da alma em deleite no summum