sábado, março 01, 2008

Poesia - Apetites

A serpente rasteja sobre seu próprio ventre.
Apetites, apetites...
O que é vão e comum
Ao todo, senão que, o oposto a uma razão
Que dá senso ao sem noção
Guiaria à ascensiva escada
Da alma em deleite no summum

Um comentário:

multiolhares disse...

Sim a serpente tanto nos pode fazer baixar
Ou subir através da kundalini
Beijinhos
luna